Google+ O triunfo da Doutrina Netanyahu – REVISTA DE NEGÓCIOS CADECOM
Publicado em: dom, ago 30th, 2020

Empregos_Rio_de_Janeiro

O triunfo da Doutrina Netanyahu

Share This
Tags

O que a princípio poderia parecer apenas uma convergência de interesses circunstanciais, temporários e frágeis, agora revela-se uma aliança verdadeira e profunda.

Embora ainda seja muito cedo para fazer uma avaliação definitiva do acordo Israel-Emirados Árabes Unidos, já existem algumas conclusões preliminares que podem ser tiradas.

O acordo Israel-Emirados Árabes Unidos é uma tremenda vitória para a visão estratégica do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, que ele conseguiu impor gradualmente ao longo do tempo, no que diz respeito às relações entre Israel e o mundo árabe.

De acordo com a maioria dos comentaristas israelenses, é um golpe diplomático sem precedentes e tremendo que marca o triunfo da doutrina política de Netanyahu, uma doutrina que promove a crescente marginalização da Autoridade Palestina e o desaparecimento gradual da noção de “dois estados para dois povos” sobre a qual A diplomacia israelense confiou amplamente desde os Acordos de Oslo.

 Siga Israel Hayom no Facebook e Twitter

Esta visão estratégica é inseparável da política que Netanyahu, com notável consistência, vem perseguindo há mais de duas décadas com relação à ameaça iraniana, que ele foi um dos primeiros a levar a sério e sobre a qual muitas vezes se vê pregando contra o vento e contra o conselho de certos chefes de inteligência militar e do Mossad.

A normalização dos laços com os países árabes sunitas é ilustrativa da segunda parte da Doutrina Netanyahu vis-à-vis o Irã e seus representantes (Hezbollah, Hamas e outros) que, nos últimos anos, assumiu a forma de estreita colaboração militar e de segurança, geralmente longe dos holofotes, entre Israel e os países do Golfo.

Contrariamente às afirmações de seus detratores, não só Netanyahu não se enganou sobre a ameaça iraniana (que eles erroneamente afirmam que ele exagerou ou mesmo “inventou” abertamente), mas também avaliou corretamente a oportunidade diplomática e estratégica que essa ameaça representava: estabelecer um Aliança árabe-israelense contra o Irã e seus aliados, da qual os acordos com os Emirados Árabes Unidos são os primeiros frutos.

Nesse sentido, a visão estratégica de Binyamin Netanyahu só pode ser comparada – em sua profundidade e alcance – à de David Ben-Gurion, que na década de 1950 havia defendido o estabelecimento de vínculos com os países do “segundo círculo” não árabe – Irã, Turquia e Etiópia – para afrouxar o controle dos países árabes que fazem fronteira com Israel.

A doutrina Netanyahu consiste em explorar a velha disputa árabe-persa e posicionar o Estado judeu como um baluarte protetor para os países do eixo moderado sunita. Além disso, o que a princípio poderia parecer apenas uma convergência de interesses circunstanciais, temporários e frágeis, agora se revela uma aliança verdadeira e profunda, prestes a se materializar no estabelecimento de relações diplomáticas plenas e numa reaproximação de longo prazo entre Israel e vários países árabes no Golfo (e talvez também no Norte da África).

A precisão da visão estratégica de Netanyahu é ainda mais impressionante à luz de sua aparente postura contínua de equívoco e aparente adoção da falsa narrativa de “dois estados para duas pessoas”, particularmente em seu famoso discurso de Bar-Ilan. Este último passo mostrou, no entanto, que não apenas Netanyahu não continuou no caminho trilhado por seus predecessores desde a época dos Acordos de Oslo de buscar estabelecer um Estado palestino, mas foi ele quem cravou o prego final no caixão de a noção ilusória de um novo estado árabe a oeste do Jordão.

Ao fazer isso, Netanyahu destruiu o mito da centralidade da “questão palestina”, mantida por várias décadas não apenas pela Liga Árabe, mas também pela Organização da Conferência Islâmica, a União Européia e a ONU.

Ao concordar em assinar um acordo com Israel sem torná-lo dependente de qualquer solução para a questão palestina, os Emirados Árabes Unidos mostraram que entendiam que, longe de ser uma prioridade árabe, esta na verdade constituía um obstáculo à realização dos interesses árabes.

Ao contrário da política de pior caso adotada desde 1964 pelos líderes da OLP e da AP, que “nunca perderam uma oportunidade de perder uma oportunidade”, os líderes sunitas do Golfo, por sua vez, mostraram sua disposição de aproveitar todas as chances de avançar na normalização e na reaproximação com o estado judeu, à luz do que eles percebem claramente como o interesse comum de seus países com Israel.

A questão da soberania israelense sobre a Judéia e Samaria e o Monte do Templo, que atualmente permanece em aberto, constitui a terceira, e um pouco mais obscura, parte da Doutrina Netanyahu. Sobre este assunto crucial, ele mais uma vez mostrou seu pragmatismo absoluto e rejeição de qualquer posição ideológica. Somente o futuro mostrará se a atitude cautelosa de esperar para ver de Netanyahu (abertamente?) Sobre esta questão permitirá que Israel estabeleça plena soberania judaica a oeste do rio Jordão, aproveitando a oportunidade histórica oferecida pelo atual presidente dos EUA, Donald Trump, ou se isso significará outra oportunidade perdida de cumprir a promessa milenar do retorno do povo judeu ao coração de sua herança e de sua pátria.

Fonte: https://www.israelhayom.com/2020/08/28/the-triumph-of-the-netanyahu-doctrine/

Sobre o Autor


Sobre Cadecom | Anuncie | Relações com Investidores | Segurança e privacidade | Sobre o Cadecom| Trabalhe no Cadecom Banda Larga | Pesquisa de preços | Música | Links patrocinados Comunicar erro nesta página Crimes virtuais: denuncie © 2008/09/10/11/12/13/14/15/16/17/18/19/20 - CADECOM - O melhor conteúdo. www.cadecom.com.br
Todos os direitos reservados. Política de privacidade e segurança